sábado, novembro 30, 2013

Maçã e Canela


Esta semana uma amiga mais que querida fez anos e eu ofereci-me para lhe fazer um bolo de aniversário. É uma das minhas amigas mais antigas (ou seja, é minha amiga há muito, muito tempo) e leais, uma amizade como eu sei que não vou encontrar em mais lado nenhum, que já deu provas de ser amiga nos bons e, principalmente, nos maus momentos. Por isso, o bolo teria que ser algo muito especial. Quando lhe perguntei qual o sabor que ela queria para o bolo, e depois de algumas sugestões da minha parte, ela escolheu uma combinação que eu adoro: maçã e canela. O que me deixou imensamente feliz porque me daria a oportunidade de experimentar uma receita nova, mas extremamente preocupada porque tinha que ser uma receita nova.

Nas minhas pesquisas, acabei por recorrer a alguém que ainda não me deixou ficar mal: Martha Stewart. O bolo é um bolo de maçã caramelizada e canela e, além de ser lindo por dentro e por fora, é delicioso. A massa do bolo, depois de lhe juntar as maçãs caramelizadas, é tão boa que apetece come-la à colher. É um bolo mais trabalhoso do que eu normalmente faço, mas vale bem a pena. Não é difícil, pelo contrário, apenas exige uma batedeira porque bater manteiga com açúcar sem ela é uma seca. Podem-se comprar as nozes já moídas ou substituir por outro fruto seco a gosto, mas as nozes picadas em casa ficam com uma textura mais grosseira que traz algo ao bolo. A textura do bolo é fantástica, muito húmida da enorme quantidade de maçãs (vêem-se bem na foto), ligeiramente crocante das nozes, muito boa. Não é, ao contrário do que possa parecer, doce demais e o sabor predominante é o da maçã. Ao que me contou a aniversariante, estava ainda melhor no dia seguinte! :-)


Finalmente, como era um bolo de aniversário, ainda por cima especial, tinha que ser devidamente enfeitado. Foi o que fiz, com pasta de açúcar e um buttercream de maçã e canela que, na realidade, é mais de açúcar mascavado e canela, mas que ficou delicioso. Ficaria óptimo num bolo de bolacha! O anjo fui eu que fiz, em pasta de açúcar, e devo dizer que foi mesmo muito fácil de fazer. Segui as instruções daqui. O vídeo está em três partes e está muito bom. Mudei um bocadinho as asas, não pus os pés e fiz as mãos mais simples, mas segui as instruções e o resultado acho que não está mau. O meu filho adorou o anjo, queria brincar com ele. :-)


Bolo de maçã caramelizada e canela (adaptado ligeiramente daqui):

Para as maçãs:
60 g manteiga
850 g maçãs Granny Smith (usei 5), descascadas, sem caroço e partidas em pedaços pequenos (cerca de 0,5 cm)
1 ch. Açúcar
1 c. chá canela
125 ml sumo de maçã
4 c. sopa rasas de farinha sem fermento

Derreter a manteiga numa frigideira antiaderente. Juntar as maçãs e mexer para envolver. Juntar o açúcar, a canela e o sumo. Deixar levantar fervura em lume forte, baixar o lume para médio e deixar cozinhar até as maçãs estarem transparentes e douradas e todo o líquido evaporar. As maçãs ficam apenas envolvidas num molho espesso da cor do caramelo. Deixar arrefecer. Imediatamente antes de juntar ao bolo, misturar a farinha só até estar distribuída uniformemente (não faz mal se ainda se vir farinha no meio das maçãs).

Para o bolo:
250 g manteiga ou margarina, à temperatura ambiente
1 ½ ch. açúcar
¼ ch. açúcar mascavado escuro
4 ovos
3 ch. farinha sem fermento
2 ½ c. chá fermento em pó
2 ½ c. chá bicarbonato de sódio
2 c. chá canela
½ c. chá sal
1 iogurte natural sem açúcar
120 g nozes, tostadas (esqueci-me de as tostar) + ¼ ch. farinha sem fermento

Barrar com manteiga e polvilhar com farinha uma forma redonda, sem buraco. Aquecer o forno a 180º. Juntar as nozes e a farinha na picadora e picar até ficarem o mais finas possível. Numa taça média juntar a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio, a canela e o sal. Mexer bem com um batedor de varas para incorporar.

Bater a manteiga com os açúcares com a batedeira, até o preparado ficar fofo e leve. Juntar os ovos um de cada vez, batendo bem entre cada um. Com a batedeira na velocidade mínima, juntar a mistura de farinha em duas partes, intercalando com o iogurte. Juntar as nozes e as maçãs, envolvendo com uma espátula ou colher grande até as maçãs estarem distribuídas uniformemente pela massa. Deitar na forma e levar ao forno 45 a 55 minutos. Desenformar, virar para cima e deixar arrefecer, de preferência sobre uma grade.

O bolo fica húmido e, porque é difícil saber exactamente quando está cozido (o teste do palito é inútil por causa da enorme quantidade de maçãs e caramelo), acabou por cozer demais. Usei uma forma de 25 cm e cozi-o por 1 hora, mas acho que o deveria ter tirado do forno uns 5 minutos mais cedo. Aconselho a tirar do forno quando estiver dourado uniformemente e as laterais aparecerem já douradas.


Buttercream de Maçã e Canela:
250 g manteiga sem sal, à temperatura ambiente
½ ch. açúcar mascavado escuro
1 ch. açúcar em pó
1 pitada de sal
2 c. chá canela
4 c. sopa sumo de maçã

Bater a manteiga com o açúcar mascavado escuro até incorporar completamente. Juntar o açúcar em pó, o sal e a canela e bater novamente, até estar fofo e ligeiramente mais claro. Juntar o sumo de maçã, uma colher de cada vez, batendo muito bem entre cada adição, até estar mais fofo e até o açúcar não se notar nos dedos ou o máximo que a batedeira aguentar. A minha está nas últimas, nunca consigo a textura aveludada que gostaria nestes cremes. Desta vez não tive tempo de o fazer, mas para a próxima vou reduzir meia chávena de sumo de maçã até ficar com metade e uso esse xarope em vez do sumo simples. Deve ficar com um sabor mais pronunciado a maçã.


Partir o bolo a meio e rechear e cobrir com o creme. Para partir o bolo usei uma faca de serrilha para dar um golpe a toda a volta e, depois, um arame fino que comprei para fazer o halo do anjo que está em cima do bolo. Resultou lindamente.

quarta-feira, novembro 20, 2013

Boas notícias!


Como quem me conhece sabe e já aqui disse por duas vezes, praticamente desde que nasceu o Diogo usa um aparelho para dormir, umas botas ligadas com uma barra para manter a correcção do seu pé boto. Inicialmente usava-as todo o dia, apenas as tirando para tomar banho. Depois foi reduzindo o tempo que passava com elas e, ultimamente, já as usava praticamente apenas para dormir. Desde os dois meses de idade essa era a realidade dele. Até ontem. Ontem foi dia de consulta no Hospital de S. João, com o Dr. Nuno Alegrete que o segue desde a barriga da mãe, e chegaram finalmente as melhores notícias que podíamos ter, aquelas que esperávamos há 4 anos: é hora de deixar as botas!

A correcção está feita, o pé do Diogo está, como todos os que o conhecem sabem, feita, o pé esquerdo dele, embora diferente do direito, é completamente funcional e quem não sabe o que se passa dificilmente o descobre de olhar para ele. Sempre soubemos que os 4 anos seriam o momento de deixar de usar o aparelho, mas as coisas nos últimos tempos não têm andado perfeitas e estávamos apreensivos. As boas notícias vieram e estamos todos para lá de felizes. O Diogo dormiu ontem, pela primeira vez desde os 2 meses de idade, com os pés descalços (pronto, calcei-lhe umas meias, está frio!) e adorou. Quando acordou e percebeu, ao fim de uns minutinhos, que não tinha as botas calçadas, saltou imediatamente da cama e não parou de saltar até chegar à escola! :-)

Ontem à tarde, em casa, disse-lhe que era dia de festa e que podíamos fazer, no fim-de-semana, uma sobremesa especial para comemorar. Quando lhe perguntei o que queria, a resposta foi imediata: Terra! Com minhocas! Foi uma receitinha que fiz para o Halloween e que ele ADOROU! Vêem-se muitas variações desta receita em sites e blogs americanos, não apenas para o Halloween, mas como ideia de sobremesa engraçada para crianças em qualquer altura do ano. Experimentem, cá por casa todos gostámos e vamos fazer a festa outra vez no fim-de-semana!

Minhocas na Terra (adaptado daqui)
¼ ch. Cacau em pó
6 c. sopa açúcar
3 c. sopa amido de milho
1 pitada de sal
200 ml natas
450 ml leite
1 c. chá extracto de baunilha
1 c. sopa manteiga
100 g chocolate de culinária
Bolachas de chocolate (usei Oreos com recheio de chocolate)
Minhocas de gomas

Numa caçarola, levar ao lume as natas e quase todo o leite (reservar apenas 100 ml). Partir o chocolate em pedaços e reservar. Moer as bolachas de chocolate no robot de cozinha (ou coloca-las dentro de um saco fechado e esmaga-las com o rolo da massa) até estarem em migalhas finas.

Numa taça misturar o cacau, o açúcar, o amido de milho e o sal. Mexer bem com uma vara de arames e juntar o leite frio reservado e a baunilha, mexendo sempre até todos os ingredientes estarem bem incorporados. Assim que o leite e as natas começarem a querer ferver, deitar devagar sobre a mistura de cacau, mexendo sempre. Voltar a deitar na caçarola e levar a lume brando, mexendo constantemente até engrossar. Atenção, este processo é muito rápido e a mistura engrossa muito. Não é a hora de olhar para o lado.

Assim que o amido de milho estiver cozinhado (provar um pouco, não deve sentir-se o sabor do amido, apenas do leite e do cacau), retirar do lume e juntar o chocolate e a manteiga. Mexer muito bem com a vara de arames, até estar todo o chocolate derretido e perfeitamente incorporado no creme.


Deitar em taças ou ramequins (em taças de vidro vêem-se as camadas, para ficar mais realista pode-se servir em vasos pequeninos de barro. Não tinha nem uma coisa nem outra, usei estes ramequins). Enterrar algumas minhocas em cada taça e deixar metade de uma ou duas de fora. Espalhar as bolachas esmigalhadas por cima até cobrirem todo o creme, mas não as minhocas. Levar ao frigorífico até esfriar. Servir a crianças (e adultos) marotos e felizes! :-)